domingo, 30 de agosto de 2009

Primeira discussão gerada na aula de Antropologia Filosófica.

Lógica da extinção de um ¨Deus¨ perante a relação Cultura, História, Tempo e Espírito Absoluto(Razão) de acordo com a Antropologia Filosófica de Hegel.

Vemos no livro Convite a Filosofia de Marilena Chauí, na unidade 8 e no primeiro capítulo, cujo tema é A Cultura, na página 293 a relação entre Cultura e História propostas por Hegel e Marx.
Ambos enfatizam a cultura como história, mas vou direcionar meu raciocínio apenas em Hegel.
Esse defende que o tempo é o modo como o Espírito Absoluto, ou Razão, se manifesta e se desenvolve através das obras e instituições e a cada período de temporalidade a Razão engendra uma Cultura determinada, que exprime o estágio de desenvolvimento espiritual ou racional da humanidade, cada qual exprimindo-se com uma Cultura própria e ultrapassada pelas seguintes, num progresso contínuo.
Vendo assim, notamos que nas culturas e sociedades tidas como ¨primitivas¨, mais antigas, primordiais ou como queiram nomear, desde a Idade Antiga como a Indiana, Egípcia, Grega Antiga, Babilônios e Celtas por exemplo eram todas politeístas, a partir do final da Antiguidade Clássica e começo da Antiguidade Tardia alguns povos surgem com uma visão monoteísta, como os
Judeus, Cristãos e Muçulmanos, já a partir da Idade Moderna começa a haver uma dúvida em relação a ¨Deus¨ como criador de todas as coisas e sua existência passa a ser questionada, agravando-se mais ainda na Idade e Culturas Contemporâneas.
Assim sendo, de acordo com a proposta de evolução de um Espírito Absoluto e da Razão de acordo com o tempo e História proposta por Hegel, a tendência do próximo estágio ¨evolutivo¨ da Sociedade e Cultura será a extinção de um ¨Deus¨ ? O que acham?

Um comentário:

非凡 disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^