domingo, 21 de outubro de 2007

Flexibilidade.


Outro dia escutei uma entrevista no rádio, a picicóloga estava dizendo que os divórcios se tornaram mais frequentes quando o amor entrou no casamento. Isso fez o maior sentido pra mim. Antigamente se você era um bom marido, atencioso, provedor e trabalhador, não existia motivo para separação, igualmente a esposa prendada, carinhosa e compreensiva era tudo que um homem queria em casa. O casamento era baseado em tolerância.


Hoje em dia não. Hoje existe o amor, a mulher tem que se sentir amada e gostosa, o homem tem que escutá-la com carinho e elogiá-la sempre, reparar que ela cortou o cabelo (mesmo que tenha sido apenas um dedo), que está usando uma roupa nova, ser compreensivo nos dias de TPM, e por aí vai... A mulher por sua vez tem que compreender o marido saber que na hora do jogo de futebol ele não quer papo, que às vezes tudo que ele precisa é uma cerveja com os amigos, principalmente nos dias de TPM dela. Precisa apimentar o sexo e deixá-lo sempre realizado. Resumindo, os dois têm que se sentir felizes e realizados.


Como Física não posso deixar de notar que as variáveis antigas e novas são conflitantes e somadas impõem ao sistema uma complexidade muito difícil de ser resolvida. Por isso acho que os relacionamentos que dão certo hoje em dia são fruto de acordos, com menos variáveis, e préviamente estabelecidos. Que juntam algumas variáveis antigas e algumas novas, com muita tolerância.


Conviver é uma arte dificílima, que exige muita paciência e amor. Não o amor que tem que ser demonstrado e declarado a todo instante, mas o amor que está presente e faz a diferença na hora de perdoar e se colocar no lugar do outro, que quer ver o outro sempre satisfeito, mesmo que abrindo mão de certas coisas importantes.


As pessoas estão se tornando cada vez mais egoístas, não que isto seja ruim, querem fazer tudo na hora certa, na sua hora. Escuto as mulheres falando, quero engravidar aos trinta, quero comprar os móveis na Tok Stok, uma cama King Size no estilo japonês. Os homens por sua vez querem liberdade e diversão, nenhum compromisso por enquanto quero me divertir muito antes, comprar uma moto.... É tudo muito contraditório. Será que é possível fazer tudo que você quer fazer antes do casamento? E depois do casamento agir como casal? Um casal precisa agir como casal e só ter objetivos em comum?


Não sei... Namoro há 5 anos e estes questionamentos estão sempre presentes, como mulher desdobrável de hoje em dia, quero uma combinação de variáveis específica, que não é necessariamente a mesma do meu parceiro. Mas acima de tudo o amo e não quero abrir mão da presença dele na minha vida por nada. Será que dá para conciliar? Não sei... O que sei é que enquanto tivermos momentos felizes e maravilhosos, mesmo que permeados de momentos de controvérsia e divergências resolvidas, eu quero continuar. Seria este o tipo de união que me faz bem, e que vai funcionar eternamente enquanto durar? Se for, ótimo é tudo que eu quero.


A coisa boa de hoje em dia pra mim é isso. Flexibilidade. Se você não quer o casamento daquele jeito pré estabelecido, e tem uma boa idéia e alguém pra compartilhar, tem tudo que precisa. Mas importante que os papéis do casamento é o acordo entre quatro paredes. Quando o casal escolhe suas variáveis e diz o que é tolerável e o que não é. Cada um sabe até onde pode ir e que não TEM que fazer nada que não quer.

4 comentários:

Nat disse...

Muito bem!!!!!!! Quase uma física-escritora hehehehehehe

jucatio disse...

Hm.... fudeu! Eu tinha uma cama king size japonesa da Tok Stok!

clarissa disse...

Natalia, ta lindo isso!
Eu tenho participado do blog mais como leitora que como escritora, mas nesse caso eu posso concordar plenamente com você!

Beijos
Clarissa.

Andrea RD disse...

Natalia, falou e disse!!!
É muito difícil dizer que quer curtir tudo antes de se casar.
Isso soa como se o casamento fosse mesmo uma prisão, uma jaula..
Não é mesmo!! Sei lá..
Eu acredito em fases, todos nós temos e passamos por diversas fases em nossa vida. Então quando a tal fase, ou maturidade, ou mesmo amor, bate... É à hora!!!
E isso não significa que vc não possa se enganar com tal pessoa...
Errar faz parte da vida de todos nós...
Belo texto amiga!!
bj.
Inté...
Dea