quinta-feira, 27 de setembro de 2007

A falta de educação dos fones de ouvido.

Algumas amigas de faculdade devem estar com raiva de mim, de um tempo pra cá elas começaram a aparecer com esses malditos fones no ouvido e nada tem me irritado mais do que falar com alguém com os ouvidos tapados...
Vejam bem, eu não sou intransigente, mas o que eu achava que era um caso isolado se tornou uma febre. Pra todos os lugares que eu olho, em todos os lugares que vou, tem alguém ouvindo música com fone. Até na prova que eu fiz ontem tinha um cara fazendo a prova com o fone de ouvido.
Eu sempre achei que a vida tinha que ter trilha sonora, com música ambiente mandada lá de cima, por Deus, mas aí teríamos que confiar no bom gosto dele, porque minha trilha sonora jamais teria axé e pagode. E a portatibilidade desses aparelhos que reproduzem música é perfeito para isso. Cada um se enfia dentro da sua própria vida, e tem até sua trilha sonora ambulante...
Eu entendo essas pessoas, eu ouço música o dia inteiro, só consigo trabalhar com música. Mas o meu trabalho é solitário, eu e eu e alguns números, nada mais. E mesmo assim eu ouço a música bem baixinho, sem fones, pra caso alguém me chame eu atenda prontamente. Ouvir música andando na praia, andando de ônibus é ótimo, mas devia parar aí... Quando você vai encontrar com os amigos, não vejo a menor necessidade de continuar com aqueles troços no ouvido. Aí você fala com a pessoa, ela finge que te ouve, aí você insiste, ela percebe que você quer realmente falar com ela, e com a cara mais esquisita do mundo, ela tira um dos fones e deixa ele lá pendurado... Mas o outro continua no ouvido... Não sei o que me irrita mais, os dois fones nos dois ouvidos, ou aquele lá pendurado querendo dizer: Olha, eu estou te ouvindo, mas só pela metade...
Pra não dizerem que sou a pessoa mais chata do mundo, ontem eu experimentei usar os fones pra ouvir música. O fato é que meu celular antigo, embora tivesse mp3, tinha uns fones que não cabiam no meu ouvido (pois é, meu ouvido também é pequeno). Quando comprei o novo, percebi que os fones eram mais confortáveis, pelo menos eles permanecem algum tempo sem cair.
Pois bem, peguei o ônibus pra ir trabalhar, contei bem umas seis pessoas com fones de ouvido, sentei na cadeirinha do lado esquerdo, vista pro mar (pois é, eu pego o caminho mais longo pra ir beirando a praia), coloquei os fones de ouvido e, claro, imediatamente percebi porque as pessoas são viciadas nisto. Instantaneamente eu fiquei com vonte de mandar flores pro delegado, de bater na porta do vizinho e desejar bom dia, de beijar o português da padaria... É, começar com Zeca Baleiro era sacanagem, mas quem escolheu a trilha sonora fui eu, e eu tenho bom gosto, então era óbvio que eu ia gostar da música. A viagem continuou tranquila, eu, a praia, o Zeca e o resto da minha trilha sonora. Por alguns minutos ali eu viajei literalmente, não fazia parte do mundo real. Entendi muito bem porque as pessoas preferem a alienação dos fones de ouvido aos barulhos da cidade grande.
Quando o ônibus chegou no ponto, a trilha sonora direto do meu cérebro avisou que estava tocando Negro Gato, com a maravilhosa voz do Luiz Melodia parecendo sussurrada no meu ouvido, mas eu não pensei nem duas vezes, tirei os fones do ouvido.
Prefiro ouvir os carros, os ônibus, a barca, as pessoas andando, do que me render à alienação e a falta de educação desses fones de ouvido.

3 comentários:

Cris Lustosa disse...

isso eh uma pratica normal nos EUA, acredito q nas grandes cidades. la todo mundo tem I-pod e ai niguem nem se olha no metro. parece uma doenca mesmo, digna de Aldous Huxley. serio, uma vez eu tentei tirar uma foto de uma menina q tava com esse fonezinho branco mais ai eu tinha deixado o flash ligado cara. olha q mico. ela tava com cara de doente, entao eu queria tirar uma foto daquilo. parece que todo mundo eh MIB... tenho uma amiga que mora la ainda. ela detesta I-pods. eu ouco musica no metro. eu gosto pq eh uma forma de se concentrar nos textos da facul. no brasil oq naio falta eh gente pra te olhar no metro. mas nao troco uma boa conversa por um fone nao. de jeito nenhum! e tambem acho falta de respeito. bj

Thais Rosa disse...

Poxa fui lendo texto e achei que no final você ia se render aos fones, mas não. rs
Telegrama do Zeca Baleiro super ta na minha playlist, fico com a mesma sensação q vc descreveu. é ótimo nat!!! hahahahaha

Andrea RD disse...

Olá, Nat.
Gostei tanto de seu texto que estou querendo publicar-lo em meu blog...
Você me permite??? (seria esse texto ou algum indicado por vc)

Desde já agradeço pela atenção.
Aguardo uma resposta.
Um abraço,
Andréa RD